O EPA

O que é o EPA?

O EPA ou ácido Eicosapentaenóico, é um ácido gordo ómega-3 presente na gordura dos peixes de águas frias. Juntamente com o DHA (ácido docosahexaenóico), são os dois ácidos gordos ómega-3 mais importantes para a saúde humana. Não podem ser fabricados pelo organismo, dependendo inteiramente da dieta para a sua obtenção.

Porque é importante suplementar a dieta com EPA?

Segundo diversas organizações mundiais, a ingestão mínima diária recomendada de Ómega-3 (EPA e/ou DHA) é de 1000 mg/dia.

Constatou-se que a dieta moderna (incluída a Mediterrânea) é em muitos casos deficiente em Ómega-3 (apesar de consumir peixe).

Nota: segundo o comunicado de 26 junho de 2012 do Painel científico da EFSA (Autoridade Europeia de Segurança Alimentar), a toma de até 1,8 g EPA/dia é totalmente segura para a população adulta.

O que me pode fornecer o EPA?

Na idade adulta, existe uma tendência para consumir em excesso um tipo de gordura ómega-6 chamada ácido araquidónico (AA) (presente nas carnes, manteiga, queijos, etc.) Ainda que o AA seja uma gordura muito importante e necessária (ex. para o cérebro), um excessivo consumo de alimentos de origem animal ricos em AA, faz com que este ácido gordo se acumule mais do que o desejado na membrana celular ou ‘cordão gordo’ que rodeia as células do nosso organismo. É sabido que um excesso de AA resulta numa maior tendência para que qualquer processo que origine uma inflamação se perpetue mais no tempo.

Foi demonstrado que o EPA é capaz de competir com o AA, de forma a suavizar os efeitos nocivos que um excesso de araquidónico possa originar.

Dessa forma, o EPA é um nutriente interessante de considerar como apoio ao sistema cardiovascular na idade adulta.